A parábola do Gênesis – Jayme José de Oliveira

PONTO E CONTRAPONTO- por Jayme José de Oliveira
“Por mais brilhante que sejas, se não fores transparente, tua sombra será escura”.

A PARÁBOLA DO GÊNESIS

O Criador, acompanhado por Lúcifer – ainda o querubim mais cintilante da corte celestial – dava os últimos retoques no planeta Terra. Distribuía aleatoriamente vales verdejantes, montanhas escarpadas, desertos áridos, praias paradisíacas, vulcões chamejantes, tsunamis arrasadores…

Lúcifer o acompanhava, observava tudo e em certo momento não conteve seu espanto:

– E o Brasil, apenas benefícios. Paisagens belíssimas, minas riquíssimas, terras férteis… não Estás sendo injusto para com o resto do globo?

– Espera até conhecer os políticos que lá permitirei existir.

Não é apenas agora que podemos refletir sobre esta parábola, mas estamos sentindo – profundamente – na carne a veracidade dessa previsão Divina. Em poucos anos quintuplicamos a nossa divida externa desde a declaração da Independência, em 1822. Em 2002: R$ 852 bilhões; em 2018: R$ 4,25 trilhões (Zero Hora, 28/02/2020).

O ministro do STF Marco Aurélio de Mello liberou a realização de uma live de Caetano Veloso para arrecadar fundos pra a campanha de Manoela D’Ávila (PCdoB) à prefeitura e Porto Alegre. Parafraseou o cantor em seu voto: “Como diria o artista Caetano Veloso: é proibido proibir. A atuação da Justiça não pode ser prévia, não se pode a priori dizer da consequência eleitoral pra proibir-se certo ato”. (Correio do Povo, 06/11)

Realmente, deve ser muito complicado afiançar que um evento – seja qual for – trará benefícios e qual a consequência eleitoral. Se a atuação da Justiça Eleitoral não puder ser prévia, quando será legítimo aplicaras leis em vigor, após as eleições?

Por decisão do ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU) tornou pública a lista com os nomes de 10,7 mil candidatos em todo o país que declararam à Justiça Eleitoral patrimônio igual ou superior a R$ 300 mil e foram beneficiados com o auxílio emergencial pago pelo Governo Federal. Há 64 registros no Rio Grande do Sul e um candidato à prefeitura de Itapuca declarou patrimônio superior a R$ 8 milhões. Foi contemplado com R$ 1,2 mil. Em Porto Alegre, quatro candidatos à Câmara Municipal declararam seus bens acima de R$ 1 milhão e, mesmo assim, receberam auxílio. A lista, na íntegra, pode ser acessada no http://portal.tcu.gov.br.

A mesa da Câmara de Vereadores de Porto Alegre planeja colocar em pauta um projeto que prevê o reajuste do salário do prefeito de Porto Alegre. A proposta acordada em 29 de outubro, determina que o subsídio aumenta de R$ 19.477,40 para 21.860,67 na próxima legislatura. O subsídio dos secretários, conforme o texto, permanece o mesmo, de R$ 14,5 mil, igual ao dos vereadores, já atualizado pelo IPCA em maio do ano passado. Em razão da generalizada revolta que o projeto provocou, foi retirado da pauta o projeto.

O Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça fluminense o senado Flávio Bolsonaro (Republicano por–RJ) e seu ex-assessor Flávio Queiroz por peculato, lavagem de dinheiro, apropriação indébita e organização criminosa por um sistema de “rachadinhas”, ocorrido entre 2007 e 2018,no gabinete do político quando ele era deputado estadual do Rio. A enuncia foi oferecida em 19 de outubro Os funcionários que passaram pelo gabinete de Flávio Bolsonaro devolviam parte dos salários para Queiroz. Posteriormente eram lavados e retornavam ao senador por três formas: pagamento de despesas pessoais com dinheiro vivo, da loja de chocolates e transações imobiliárias.

Essae são fatos recentes e deslustram alguns setores da classe política. Felizmente há também os que dignificam como nossos representantes e estes não merecem ser jogados na vala comum. Está em nossas mãos redirecionar o status quo. Os votos são a s nossas armas e vamos usá-los nas próximas eleições.

Jayme José de Oliveira
cdjaymejo@gmail.com
Cirurgião-dentista aposentado

Comentários

Comentários