Carnaval. Influências – Nilton Moreira

É carnaval. A euforia toma conta das mentes deixando grande quantidade de pessoas se levarem pelo turbilhão de emoções que aflora. Nos centros maiores se organizam multidões para experimentar o sintoma da alegria da matéria, onde corpos são expostos e o comportamento muitas vezes fica relegado a segundo plano.

Os grupos, cordões, blocos, escolas de samba chegam a se assemelhar a caravana de caninos que muitas vezes desfilam pelas nossas ruas, no ritual próprio da procriação, ignorando regras, conceito, e até a moral muitas vezes é deixada de lado, para envolver-se na atmosfera do samba.

É assim. Carnaval sempre foi assim. E o Brasil ocupa destaque no cenário mundial, pois só nosso povo tem a capacidade de formar passos rítmicos capazes de causar entusiasmo e envolver plateia, e como num passo de mágica esquece-se das dificuldades, da falta de emprego, dos altos impostos, da elevada carga tributária que o Presidente disse que vai diminuir.

Alucinógenos, álcool, drogas e energéticos em quantidade são consumidos, aumentando por demais a violência. As brigas domésticas se acentuam e a Lei Maria da Penha ocupa manchetes.

Da parte do Estado é colocado em prática aparato de segurança e prestação de serviço adicional, pois o crime, acidentes e desastres atinge pico, tudo em nome de uma festa que tem a ver com a carne e que certamente repercutirá no espírito que somos em essência.

A sensualidade é ponto alto, mas quem ganha dinheiro mesmo são as grandes indústrias, as grandes marcas, que aproveitam o ensejo para vender mais. Nisto consiste o lado bom, pois beneficia a expansão de emprego, num momento delicado que vive nosso Brasil.

É bem provável que o carnavalesco não goste de nosso comentário, pois damos conotação ao carnaval de uma festa exagerada, mas é ocasião como esta que somos provados muitas vezes, pois os escândalos mencionados pelo Mestre se exaltam, principalmente quando adentramos a certos locais. André Luiz, Mentor Espiritual, certa ocasião falou que para entrarmos em determinados ambientes de baixo padrão vibratório, devemos estar bem preparados, pois podemos ficar com nossa mente imantada no local e nos prejudicarmos espiritualmente.

Mas por outro lado o carnaval pode ser visto como festa alegre e com matizes sadios, em se tratando dos desfiles quando são homenageadas personalidades ou folclores, com narrativas criativas.

Do ponto de vista espiritual, os benfeitores são designados para trabalhar no sentido de proteger e atender os encarnados que se envolvem em desastres, acidentes, overdoses, sendo, portanto período de atarefamento para esses amigos espirituais.

Vamos então manter nosso pensamento elevado neste período de momo e pedir a Jesus, proteção para a nossos lares, familiares, nos livrando das influências negativas que possam a vir nos assenhorar.

Comentários

Comentários