Erner Machado Coluna do Machado por Erner Machado Assuntos do nosso cotidiano serão debatidos neste espaço.

A aboliçao da escravatura

02/06/2014
O Brasil tem hoje, 13 de maio, como a data da Libertação dos escravos negros. Para os brasileiros mais consequentes em termos de consciência esta é uma data que nos lembrará, sempre, que  logo depois de nosso descobrimento até ao ano de 1888,  mantivemos deliberadamente seres humanos  em regime de submissão total, explorando-os, maltratando-os privando-os de suas famílias e da  suas liberdades.

É verdade que o Decreto Régio assinado pela Princesa Isabel, resultou na liberação física do enorme contingente de negros mas não foi suficiente para emancipá-los política,social e culturalmente dentro  do território nacional.

Assim é que os negros ao lhes serem tiradas as algemas de suas mãos, as cangas de suas costas e a correntes de seus pés, ganharam a possibilidade de ir e vir mas,  viram-se aprisionados,  igual que antes, ao poder do senhor de engenho que tinha as terras onde  encontravam-se e nas quais por, absoluta incapacidade de sobrevivência foram obrigados a ficar. O estado brasileiro além de privá-los por  quase quatrocentos anos, da liberdade, da cidadania, da dignidade, acabou reduzindo-os a um contingente de pessoas que, por absoluta incapacidade cultural, não poderia por sí próprio iniciar uma atividade empreendedora que lhes garantisse a subsistência dentro dos  padrões aceitáveis   e condizentes com o respeito e com a dignidade.

Esta enorme massa de homens, mulheres e crianças se encantaram com a liberdade, se é que ainda tinham ânimo para se encantar com alguma coisa, mas  desesperaram-se  com o seu presente e com o futuro que estava destinado aos seus iguais.

A grande maioria qual um rebanho desorientado ficou ao redor da  Senzala, onde antes estivera presa pelos ferros e, agora, se encontrava amarrada  pela necessidade de sobrevivência... Uma parcela, não menos considerável, tomou a estrada e como uma manada em busca de água foi se embebedar com a sua liberdade e viver da mendicância e da generosidade de quem encontravam pelo caminho. E esta é a gênese do povo negro brasileiro que representa 53,74% de nossa população, segundo o Senso do IBGE, de 2010.

Acabaram as Estrada Reais, acabaram-se as Senzalas, mas ainda hoje  os grandes proprietários rurais, a exemplo dos seus antepassados, contam com a mão de obra barata e subalterna dos negros do Brasil. Nas periferias das grandes e pequenas cidades estes mesmos negros compõem o bio tipo principal das favelas miseráveis onde campeia a fome e onde o crime se apresenta como uma constante  em suas vidas.

Nos presídios são a maioria, na escola publica, nas universidades é a minoria. Estão presentes, sempre, nas estatísticas de assaltos a mão armada e de mortos pela policia. Nas cidades são os traficantes,  mendigos, os moradores de rua. No campo são os bóias frias, os taipeiros, os cortadores de arroz, os párias das solidões. Pouquíssimos conseguem romper estas barreiras e realizarem-se como homens e mulheres, com um lar, com profissão, com Educação Superior... E, a vislumbrarem-se os cenários econômicos, sociais, políticos e educacionais não tem esperança de, no curto prazo, reverter esta situação.

Por isto, para os brasileiros mais consequentes em termos de consciência, o dia 13 de maio significa o dia em que o Brasil, extinguiu a Pena de Escravidão mas não conseguiu reverter a situação das vitimas que sofrem, eternamente, os efeitos da Execução da Pena. Não há, portanto, o que comemorar.

Erner Machado Freitas Machado
ernermachado@gmail.com

Enviar para um amigoImprimirFazer comentárioVoltarVoltar para o topo »Comentários »Últimas colunas: