Sérgio Agra Notas Dissonantes por Sérgio Agra "A crítica com transparência e responsabilidade. A visão do homem sob a ótica do humano, demasiado humano".

Judas, ao menos, cobrou mais caro

21/06/2012
Agora, sim! Rasguei, definitivamente, a “carteirinha”! Melhor mesmo nem interpretar a atitude do Lula ao se aliar com o Maluf para garantir 1min35seg a mais de propaganda eleitoral na TV.

Decência, dignidade, tudo escorrendo pelo ralo, e o Brasil mais uma vez tendo que assistir ao pior tipo de teatro, esse horror show da nossa política.

Aliás, tem, sim, uma explicação para isso tudo: Realpolitikagem! “Realpolitik” é um termo conveniente para desculpar o baixo oportunismo, contradições ideológicas e calhordice em geral.

O termo nasceu na Alemanha e tem uma longa história, sendo invocado sempre que um acordo ou um arranjo político agride o bom-senso ou a moral.

Há uma graduação na “realpolitik” que vai do tolerável (uma acomodação com o vizinho do lado para assegurar a paz no prédio, mesmo tendo que aceitar o cachorro) ao indefensável (o pacto Stalin/Hitler no começo da Segunda Guerra Mundial, por exemplo).

É difícil saber onde colocar o pacto Lula/Maluf nessa escala.

O hipotético acordo com o vizinho é um sacrifício pelo entendimento e o Stalin estava tentando ganhar tempo até ter um exército. No acordo com o Maluf trocou-se uma história e uma coerência por um minuto e pouco a mais de espaço para o candidato do PT na TV. Ó “seu” Lula da Silva!

Como a Caixa de Pandora, a esperança ainda não escapou, não fugiu! Consola-nos o fato de que, na política, ainda existam pessoas que são e agem exatamente ao contrário dos sórdidos adjetivos que empreguei para o “seu” Lula da Silva neste e em tantos outros episódios protagonizado pelo agora nem tão “falastrão”; para não desperdiçar tempo e espaço, basta apenas a lembrança do “Mensalão”, onde o “capo” e seu braço direito, o bandido-mor, José Dirceu, executavam – para usar um termo que era muito a gosto do “seu” da Silva – ignominiosas maracutaias!

Luiza Erundina, finalmente, despertou do pesadelo em que a “banda podre” transformou o PT.

Vista como extremista, radical, inconsequente e, até mesmo desvairada a ponto de cortar relações com o próprio pai, Luciana Genro, sim, honrou e manteve incólume sua ideologia que acreditava, até o momento em que se bandeou para o PSol, ver refletida no PT.

Lula se “vendeu” por reles 1min35seg. de espaço na propaganda eleitoral. Judas Escariote, ao menos, “cobrou” mais caro!

Sérgio Agra
agraeagra@terra.com.br
Advogado e escritor – Autor do livro “Mar da Serenidade”

Enviar para um amigoImprimirFazer comentárioVoltarVoltar para o topo »Comentários »Últimas colunas: