Crianças: a dor e o prazer da volta às aulas – psiquiatra Dr. Sander Fridman

Fridman em entrevista a Globo News

Reinício de aulas: mochila, caderno, tênis, roupa nova! Reencontro de amigos, professora, novos amigos, nova professora!

O reinício do ano escolar é aguardado no mundo inteiro, por cada criança e seus pais, como um verdadeiro acontecimento, quando a vida voltará a se descortinar aceleradamente através dos conteúdos e vivências escolares.

Brincadeiras, jogos, desafios, superações, compartilhamentos e fofocas.

Tudo emocionante e arrebatador!

Algumas crianças, entretanto – mas não tão poucas – retornam das férias com um sentimento de saudades e receios misturados.

Crianças que ainda lembram das dificuldades que sofreram para se concentrarem nas aulas, nos estudos, nos deveres de casa, e o decepcionante rendimento escolar; crianças hiperativas cansadas de perceber que não conseguem deixar de incomodar adultos, colegas e a si mesmas; crianças que sofrem de um sono incontrolável nas aulas e nos deveres; que sofrem de timidez e inibição social angustiantes e constrangedoras; com dificuldades nos relacionamentos, comportamentos estranhos ou inadequados, agressivos, incontroláveis.

Calcula-se que, de cada 3 crianças, 1 apresentará ao longo de sua infância ou adolescência algum problema pelo qual poderá ser ajudada por um profissional de saúde mental.

Considerando apenas o ano anterior, a qualquer momento, 1 em cada 4 crianças ou adolescentes poderá se beneficiar de uma ajuda especializada para problemas diagnosticáveis nos últimos 12 meses!

Mais da metade destas crianças e adolescentes nunca terá acesso a uma oportunidade de ajuda – estatísticas norte-americanas.

Longe de ser raro, portanto, a conveniência de um acompanhamento psiquiátrico e/ou psicológico deve ser considerado algo sumamente normal do cotidiano!

Não seria muito melhor prevenir o sofrimento, o trauma e as complicações escolares, sociais e profissionais futuras destas crianças e adolescentes, oferecendo-lhes a oportunidade precoce de tratarem suas angústias e inadequações?

Não seria melhor desta forma tentar proteger também a paz conjugal e familiar, muitas vezes ameaçada pelas dificuldades mais graves das crianças?

Que o novo ano escolar seja muito feliz e instigante para todos!”

O Dr. Sander Fridman é psiquiatra, psicanalista cognitivista e psiquiatra forense. Mestre e Doutor em Psiquiatria pela UFRJ.

Em Capão da Canoa: 3665-2487 – Em Osório: 3663-2755.

Comentários

Comentários