Um provérbio da sabedoria popular diz: “Água mole em pedra dura, bate-bate até que fura”. O voltar muitas vezes sobre o mesmo tema ajuda a internalizar e assimilar a mensagem. Chegamos ao terceiro verbo do lema da CF 2020: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele”. Coincide com o terceiro passo do método adotado: ver, julgar e agir. O resultado final, a decisão feita ação, foi cuidar do caído ao longo do caminho.

Alguns números sugestivos do texto que trago aqui podem ajudar a impulsionar o nosso agir. Antes de tudo, “aprendemos com o Bom Samaritano que o meu próximo é aquele de quem me achego. É aquele a quem dedico cuidado. É aquele com quem tenho a alegria de compartilhar o caminho da vida”.

“Com a Campanha da fraternidade, somos convidados a proclamar em todo o país que a vida, Dom e Compromisso, é essencialmente samaritana! Convertidos pela Palavra de vida e de salvação, somos convocados a testemunhar e estimular a solidariedade; fortalecer a revolução do cuidado, da ternura e da fraternidade como testemunho de vida  dos discípulos missionários”.

“Uma das maiores contribuições que os cristãos podem dar a uma sociedade marcada pela indiferença e pela morte, consiste em incansavelmente anunciar que o sentido da vida se encontra no amor, que se traduz no cuidado com os que sofrem”. Há uma intima conexão entre evangelização e promoção humana que se deve exprimir e desenvolver em toda a ação evangelizadora. A vivência do Evangelho deve gerar experiências de solidariedade e inclusão.

‘Fechar os olhos diante do próximo torna cegos também diante de Deus’ dizia Bento XVI. Portanto, “as mudanças que tanto queremos no mundo só serão reais se começarem em nós, a partir de nós, afetando, assim, o ambiente em que vivemos. A conversão pastoral é fruto da conversão pessoal. ‘Vai e faze o mesmo’ é a exortação de Jesus a aquele que perguntou sobre quem seria o seu próximo. Daí a importância de renovarmos, pessoalmente, nosso compromisso de cuidado e valorização da vida”.

“Cada ser humano é objeto da ternura infinita do Senhor, e Ele mesmo habita na sua vida. Independentemente da sua aparência, cada um é imensamente sagrado e merece nosso afeto e a nossa dedicação. Por isso, se consigo ajudar uma só pessoa a viver melhor, isso já justifica o dom da minha vida. É maravilhoso ser povo fiel de Deus. E ganhamos plenitude quando derrubamos os muros e o coração se enche de rostos e nomes!”

Para refletir:

Olhando para a minha vida, com muita sinceridade, posso dizer que estou cuidando de alguém? Como?De tudo o que faço, tem algo que posso dizer que o faço com amor? Com que porcentagem? Como posso ajudar o mundo a ser melhor?

Textos bíblicos: Ez 37, 34-35; Jo 11, 1-45; Lc 10, 25,37; Sl 129(130).

Dom Jaime Pedro Kohl – Bispo de Osório

Comentários

Comentários