Deputado Federal Alceu Moreira aparece na lista da JBS com outros três deputados gaúchos

O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou no início da tarde desta sexta-feira a íntegra da delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, controlador do frigorífico Friboi.

A medida foi tomada após o ministro Edson Fachin homologar os depoimentos, firmados com a Procuradoria-Geral da República (PGR). São cerca de 2 mil páginas. As oitivas foram gravadas em vídeo.

De acordo com informações da Zero Hora, pelo menos quatro políticos gaúchos são citados pela JBS: Alceu Moreira, Onyx Lorenzoni, Jerônimo Goërgen e o ex-deputado Paulo Ferreira.

A JBS relata um pagamento de R$ 200 mil em espécie a Moreira no dia 27 de agosto de 2014. O mesmo valor, também em dinheiro vivo, teria sido entregue a Onyx em 12 de setembro de 2014. No mesmo dia, Goërgen aparece como tendo recebido R$ 100 mil.

Outros R$ 200 mil foram destinados a Ferreira em 2 de outubro de 2014, por meio de pagamento de nota avulsa

Segundo os executivos, os pagamentos foram feitos para financiar, via caixa 2 e doação oficial, as campanhas eleitorais.

Em nota, o deputado federal Alceu Moreira se defendeu dizendo: "que não detém conhecimento integral dos fatos relatados e tem convicção da licitude de suas condutas. Esclarece que os valores recebidos por sua campanha, em 2014, foram de forma regular e declarados à Justiça Eleitoral, que aprovou a prestação de contas.

Comentários

Comentários