Distanciamento controlado: de 4 indicadores, Litoral tem 3 em bandeira preta

Foto: Warley de Andrade/TV Brasil © Warley de Andrade/TV Brasil

Na 29ª rodada, o mapa preliminar do Distanciamento Controlado traz 13 regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto). Desde a 28ª rodada, o Rio Grande do Sul vem percebendo aumento nas hospitalizações por Covid-19 e nas internações em leitos de UTI, o que justifica o retorno de um grande número de regiões em vermelho.

As regiões Covid de Novo Hamburgo, Capão da Canoa, Canoas e Ijuí já haviam sido classificadas como risco alto na rodada vigente e, neste mapa preliminar, seguem em vermelho. Unem-se a elas as regiões de Caxias do Sul, Uruguaiana, Erechim, Palmeira das Missões, Porto Alegre, Passo Fundo, Guaíba, Santa Maria e Lajeado.

As demais oito regiões Covid estão na bandeira laranja (risco epidemiológico médio). Entre elas, Santo Ângelo, Santa Rosa e Cruz Alta, que foram consideradas de risco alto na 28ª semana.

O momento é de alerta: o Rio Grande do Sul observou aumento em todos os indicadores monitorados pela equipe do Distanciamento Controlado. Houve elevação de 65% (de 171 para 282 casos) no número de óbitos e de 27% (de 923 para 1.171 casos) nas hospitalizações confirmadas por Covid-19. Por isso, o governo do Estado reforça a necessidade de a população seguir os protocolos e as regras sanitárias estabelecidas pelo modelo.

Veja o mapa preliminar da 29ª rodada: https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br

Das 21 regiões Covid, apenas Uruguaiana, Bagé e Guaíba não aderiram ao sistema de cogestão do Distanciamento Controlado. As outras 18 adotam protocolos alternativos às bandeiras definidas pelo governo – Santa Maria, Capão da Canoa, Taquara, Novo Hamburgo, Canoas, Porto Alegre, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa, Palmeira das Missões, Erechim, Passo Fundo, Pelotas, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul e Lajeado.

As regiões em cogestão classificadas em bandeira vermelha podem adotar regras de bandeira laranja, e as classificadas em laranja podem adotar protocolos de bandeira amarela, basta que enviem protocolos próprios adaptados à Secretaria de Articulação e Apoio aos Municípios (Saam).

Os planos regionais aprovados estão disponíveis em https://planejamento.rs.gov.br/cogestao-regional

Paralelamente aos pedidos de cogestão, o Estado aceitará pedidos de reconsideração à classificação de risco, que podem ser feitos via associação regional por meio de formulário eletrônico (pelo link https://forms.gle/emxLBwH6oWNPFVie9), no prazo máximo de 36 horas após a divulgação do mapa preliminar – até as 6h de domingo (22/11).

A adoção de protocolos alternativos não altera as cores do mapa definitivo, que será divulgado após análise dos recursos pelo Gabinete de Crise, na tarde de segunda-feira (23/11), por meio de notícia publicada no site do governo do Estado. A vigência das bandeiras da 29ª rodada começa à 0h de terça-feira (24/11) e se encerra às 23h59 de segunda-feira (30/11).

Litoral

Na versão preliminar do Distanciamento Controlado desta semana, a região de Capão da Canoa obteve à mensuração final compatível à bandeira vermelha.

Dos seus quatro indicadores regionais, Capão da Canoa alcançou classificação de risco máximo (bandeira preta) em três deles. É ocaso do número de hospitalizações por Covid-19 nos últimos sete dias, do número de hospitalizações por Covid-19 para cada 100 mil habitantes e da projeção de óbitos.

O indicador do estágio de evolução da doença obteve bandeira laranja.

Houve elevação significativa nos registros de hospitalizações para Covid-19 nos últimos 7dias, que passaram de 48 para 71registros nesta semana, crescimento de 48%.

Com o registro de 19 óbitos nos últimos sete dias, houve aumento de 217% em relação aos registrados na semana anterior (6 óbitos).

No caso do indicador de Ativos sobre Recuperados, a região registrou 851 ativos para 1.838 recuperados, representando uma piora no valor dado pela razão em comparação a semana anterior.

Destaca-se que, além do aumento, a quantidade de novas hospitalizações em proporção da população é bastante elevada, refletindo na bandeira preta para o indicador de incidência na região e sendo a segunda mais elevada entre todas regiões Covid.

Quer receber as principais notícias em seu WhatsApp? Clique aqui.

MUDANÇAS DE BANDEIRAS

Macrorregião Metropolitana: de laranja para vermelha

Em bandeira laranja na 28ª rodada, as regiões de Porto Alegre e Guaíba retornam à classificação de alto risco devido ao agravamento de importantes indicadores do Distanciamento Controlado. Porto Alegre registrou, na última semana, um salto em termos de ocupação de leitos de UTI tanto para casos de Covid-19 (de 276 para 284), como por síndrome respiratória aguda grave (SRAG), de 295 para 312.

Com isso, houve um recuo na oferta de leitos livres para tratamento intensivo na região, que agora está com 216 unidades – na semana anterior, eram 239. Porto Alegre contabilizou avanço também no acumulado de sete dias em termos de internações em leitos clínicos: foram 269 ante 231 na semana passada.

Impactada pelo avanço da doença no Estado como um todo e pela situação da macrorregião Metropolitana, Guaíba aparece em bandeira vermelha nesta rodada. Embora com estabilidade em termos de novas hospitalizações no acumulado de cada semana (32 registros) e nos casos de SRAG em tratamento intensivo (23 registros), a região teve aumento de 17 para 20 pacientes da Covid-19 em leitos de UTI.

A região de Canoas segue em bandeira vermelha. Foram 90 internações em leitos clínicos de casos confirmados no acumulado desta semana, quando nos sete dias anteriores foram 58 pacientes. A ocupação de leitos de UTI por conta da Covid-19 também subiu: eram 37 e agora são 42 pessoas exigindo cuidados intensivos.

As outras duas regiões da área Metropolitana que seguem com classificação de alto risco são Novo Hamburgo e Capão da Canoa, ambas com crescimento em novas internações em leitos clínicos e ocupação de UTI. No acumulado desta semana, Novo Hamburgo passou de 64 para 97 hospitalizações confirmadas pelo vírus. A doença também fez aumentar de 36 para 37 os pacientes em UTI, avanço que ficou maior para os casos de SRAG em tratamento intensivo (passou de 42 para 49).

Na região que abrange os municípios do Litoral Norte, o monitoramento aponta também para aumento dos casos de internação em leitos clínicos. No acumulado desta semana, foram 71 pacientes e, antes, eram 48. Capão da Canoa está na segunda semana consecutiva com apenas um leito de UTI livre. A região apresentou elevação de casos em UTI tanto por Covid (passou de 22 para 26) como por SRAG (de 28 para 30).

Macrorregiões Norte e Serra: de laranja para vermelha

As três áreas que integram a macrorregião Norte do Estado aparecem agora em classificação de risco alto. Igualmente beneficiada por recurso na semana em vigor, a região de Passo Fundo apresentou, na quinta-feira (19/11), 84 infectados em leitos clínicos – eram 60 na semana anterior. No acumulado da semana, são 87 internações em leitos clínicos (nos sete dias anteriores, foram 66). Mesmo com estabilização na ocupação de UTI pela Covid-19 (34 casos nas duas semanas), a região viu reduzir de 48 para 40 as unidades de tratamento intensivo disponíveis.

Erechim quase dobrou a soma de pessoas em leitos clínicos ao longo de sete dias (de 17 para 33 pacientes). Preocupa mais ainda o salto que a região deu na ocupação de UTI por Covid-19 (de 6 para 11) e por SRAG (de 6 para 12 casos).

Mesmo com ligeira estabilidade em termos de ocupação de leitos de UTI, a região de Palmeira das Missões também apresentou aumento no acumulado de uma semana para outra em termos de hospitalizações (24 para 28), mas a situação macrorregional foi determinante para a classificação de alto risco.

A região de Caxias do Sul aparece em bandeira vermelha depois de ver aumentar a ocupação de leitos de UTI. Houve cinco registros a mais, de uma semana para outra, em tratamento intensivo tanto para casos de Covid-19 (de 74 para 79 pacientes) como para SRAG (90 para 95 pessoas). A região teve queda de 74 para 65 no total de leitos de UTI livres entre um levantamento e outro e houve aumento no acumulado de sete dias nas hospitalizações em leitos clínicos, de 111 para 137 pacientes.

Missioneira segue em alerta

Apesar de apenas a região de Ijuí, onde as novas hospitalizações na soma de sete dias passaram de 29 para 52 casos, ter sido preliminarmente classificada em vermelho, a situação na macrorregião Missioneira segue preocupando a equipe do governo.

No conjunto das quatro regiões, houve crescimento no acumulado de hospitalizações de uma semana para outra, sem que houvesse qualquer mudança na disponibilidade de leitos de UTI. Santo Ângelo, inclusive, está com capacidade esgotada e dois pacientes internados em UTI fora da região e, ao lado de Cruz Alta, teve uma média final quase no limite da bandeira vermelha, classificação que recebeu no mapa vigente.

Macrorregião Centro-Oeste: de laranja para vermelha

Entre as demais regiões que retornam à bandeira vermelha nesta rodada preliminar, duas fazem parte da macrorregião Centro-Oeste, onde o número de leitos de UTI livre caiu de 60 para 49 unidades. Além da situação estadual e macrorregional, Uruguaiana tinha 50 pacientes internados em leitos clínicos na quinta-feira (19/11), quando há sete dias eram 24. Os casos de Covid-19 em UTI nesta região passaram de 11 para 17.

Em Santa Maria, houve igual aumento expressivo de internados em leitos clínicos no último dia de monitoramento: 57 registros. Há uma semana, eram 37.

Lajeado volta à classificação de risco alto depois de uma semana onde teve aumento de ocupação de UTI por Covid-19 (de 11 para 16 pacientes). No acumulado de sete dias, a região teve 36 novas hospitalizações em leitos clínicos, quando antes haviam sido 23.

Regra 0-0

Conforme o mapa preliminar da 29ª rodada, 377 municípios (do total de 497) estão classificados em bandeira vermelha, somando 8.821.066 habitantes, o que corresponde a 78% da população gaúcha (total de 11,3 milhões de habitantes).

Desses, 175 municípios (780.575 habitantes, 9% da população gaúcha) podem adotar protocolos de bandeira laranja, porque cumprem os critérios da Regra 0-0, ou seja, não têm registro de óbito ou hospitalização de moradores nos últimos 14 dias, desde que a prefeitura crie um regulamento local.

Além disso, do total de 120 municípios em bandeira laranja (2.508.539 habitantes, 22% da população do RS), 55 (370.351 habitantes, 15% da população gaúcha) podem adotar protocolos de bandeira amarela.

• Clique aqui e acesse a lista de municípios que se encaixam na Regra 0-0

RESUMO DA 29ª RODADA

Regiões que apresentaram pioraram (9)
Caxias do Sul (em cogestão)
Uruguaiana
Erechim (em cogestão)
Palmeira das Missões (em cogestão)
Porto Alegre (em cogestão)
Passo Fundo (em cogestão)
Guaíba
Santa Maria (em cogestão)
Lajeado (em cogestão)

Regiões que continuaram iguais (9)

VERMELHA
Novo Hamburgo (em cogestão)
Capão da Canoa (em cogestão)
Canoas (em cogestão)
Ijuí (em cogestão)

LARANJA
Bagé
Taquara (em cogestão)
Cachoeira do Sul (em cogestão)
Santa Cruz do Sul (em cogestão)
Pelotas (em cogestão)

Regiões que melhoraram (3)

VERMELHA > LARANJA
Santo Ângelo (em cogestão)
Santa Rosa (em cogestão)
Cruz Alta (em cogestão)

• Clique aqui e acesse a nota técnica com as justificativas de classificações das regiões.

DESTAQUES DA 29ª RODADA

• número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 aumentou 27% entre as duas últimas semanas (de 923 para 1.172);
• número de internados em UTI por SRAG aumentou 4% no Estado entre as duas últimas quintas-feiras (de 794 para 827);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS aumentou 11% entre as duas últimas quintas-feiras (de 914 para 1.014);
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 aumentou 6% entre as duas últimas quintas-feiras (de 646 para 683);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 reduziu 8% entre as duas últimas quintas-feiras (de 682 para 626);
• número de casos ativos aumentou 26% entre as duas últimas semanas (de 14.951 para 18.860);
• número de registros de óbito por Covid-19 aumentou 65% entre as duas últimas quintas-feiras (de 171 para 282).

As regiões com maior número de novos registros de hospitalizações nos últimos sete dias, por local de residência do paciente, são Porto Alegre (269), Caxias do Sul (137), Novo Hamburgo (97) , Canoas (90) e Passo Fundo (85).

Comparativo: situação entre 23/10 e 19/11

• número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 aumentou 31% no período (de 897 para 1.172);
• número de internados em UTI por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) aumentou 21% no Estado no período (de 681 para 827);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 no RS aumentou 41% (de 721 para 1.014);
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 no RS aumentou 27% (de 539 para 683);
• número de casos ativos aumentou 85% no período (de 10.190 para 18.860);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 no RS reduziu 19% (de 774 para 626);
• número de óbitos por Covid-19 acumulados em sete dias aumentou 19% no período (de 236 para 282).

Clique aqui e acesse o levantamento completo da 29ª rodada do Distanciamento Controlado.

Texto: Suzy Scarton e Pepo Kerschner/Ascom SPGG
Edição: Marcelo Flach/Secom

Comentários

Comentários