Fazer com prazer a vontade de Deus – Dom Jaime Pedro Kohl

domTerminada a epifania, entramos no Tempo Comum. O Salmo responsorial reza: “Eis que venho! Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração a vossa lei!” (39, 8).

            Não sei como ressoam em vocês essas palavras do salmo. Para mim causam uma grande alegria e conforto espiritual.

            O “eis que venho!” diz disposição, movimento em direção a alguém: Deus. Esse colocar-se junto de Deus, tomar consciência de sua presença, dispõe ao encontro pessoal com Ele.

            Quando nos percebemos diante de Deus, vem espontâneo confessar a Ele nossa alegria e satisfação. Quanto deve agradar a Deus sentir-nos dizer: “Com prazer faço a vossa vontade, Senhor! Guardo em meu coração a vossa lei!”

            Fazer a vontade do Pai foi a grande paixão de Jesus, a meta de todos os santos que marcaram a história do cristianismo. Por que não deveria ser também a nossa?

            Fazer “com prazer” a vontade de Deus é muito diferente de “fazer por obrigação”. Fazer de maneira prazerosa é fazer com alegria e satisfação. Prazer aqui significa algo bom e edificante, aquela felicidade que deriva do dever cumprido, de quem sabe que fez o que cabia fazer. Alegria que permanece mesmo no momento da cruz e da dor.

Poder dizer de coração: “eis que venho fazer com prazer vossa vontade, Senhor!” é muito confortador e possível a todos os que buscam com sinceridade a verdade e o bem.

Guardar no coração a lei de Deus equivale a dizer: aceitamos que Deus seja Deus e nos colocamos a sua disposição como filhos e colaboradores seus.

 “Guardar no coração a lei de Deus” não significa viver de modo legalista ou moralizante, mas deixar-se orientar e conduzir pela Palavra de Deus.

O grande sonho de Deus é que o aceitemos como Pai e vivamos como irmãos, que ninguém se perca, mas que todos encontrem no seu Filho um sentido para a vida.

Quem sabe nesse tempo de férias, de descanso, de veraneio, nos demos o direito de fazer aquilo que nos apraz, como ler um bom livro, visitar um amigo, dar um passeio, simplesmente estar à vontade...

E porque não, participar de uma celebração eucarística com prazer, fazer um gesto de caridade na total gratuidade, contemplar um por do sol, passear na praia escutando as ondas do mar, deixar-se acariciar pela brisa suave, deixar-se encantar pela pureza de uma criança e tantas outras formas que Deus tem para manifestar sua vontade e carinho por nós?

Eis que venho fazer com prazer tua vontade, Senhor!

Dom Jaime Pedro Kohl

Bispo de Osório

 

Comentários

Comentários