Jogue-me aos lobos e liderarei a alcateia – Jayme José de Oliveira

Jayme José de Oliveira

Não é fácil, mas a verdade é que quando chegamos a este mundo, ninguém nos assegura de que nossos dias vão ser calmos.

Não há dúvida de que os pais são a maior influência na vida de uma criança, mas certamente não são a única. Avós, tios, colegas de escola e, a partir de certa idade, internet e tevê também afetam na formação da personalidade. Para bem ou para mal. Essas e outras influências são naturais e nem sempre ruins.Com o que veem fora de casa, os pais podem exemplificar questões que ajudam os filhos a formarem sua visão de certo e errado.

Desde a mais tenra idade qualquer ocorrência pode servir para burilar o caráter da criança.No início apenas fatos que possam ser absorvidos por uma mente em formação. Num passeio, ao ver alguém maltratar um animal, manifestar repulsa. Uma pessoa demonstrando carinho, afeição pelo companheiro, vem a calhar um elogio e, importante, não apenas palavras mas proceder dessa maneira gentil com a criança.

Ela aprenderá a ser educada, sociável. Com o decorrer do tempo, assuntos mais complexos. Induzir obediência às regras do trânsito, paciência ao se deparar com contratempos inevitáveis, como enfrentar um congestionamento.Hoje muito se fala em não invadir o espaço do filho. A questão é que não é uma invasão, mas sim, uma supervisão. E para que a criança não se sinta pressionada pelos pais é preciso que o diálogo comece cedo, quando ainda pequena, para que ela se sinta confortável em contar o que está acontecendo. Assim o pai pode intervir diante da percepção da existência de uma influência que julga negativa.

Desde a mais tenra idade estimular para que aja com confiança e pertinácia ante as injunções do cotidiano é uma necessidade inadiável. SER AUTOCONFIANTE É UMA REGRA FUNDAMENTAL.Em algumas ocasiões, chegamos a pensar que o nosso entorno está cheio de lobos, de ameaças constantes que impedem nosso crescimento pessoal, nossa felicidade.Transforme o desejo dos filhos em uma oportunidade para despertar neles o senso de responsabilidade.Um casal de amigos me contou sorrindo a última estratégia que seus três filhos usaram para convencê-los a ter um cachorro em casa. A última e decisiva. Eles elaboraram e assinaram um compromisso no qual se responsabilizavam pelos cuidados exigidos na manutenção e bem-estar do animal. No texto cheio de frases meigas e com um tom bizarro, eles especificaram que cuidariam do cachorrinho e que o tratariam bem.

Duas semanas depois que o post foi entregue, o pai atendeu o pedido e levou um cachorrinho para a casa. Foi uma alegria para todos. Para esse pai prudente disponibilizar um mascote para os filhos não poderia ser somente um capricho, ele queria aproveitar para tornar os pequenos mais responsáveis, educá-los para que cuidem do animal de estimação para sempre e lembrar que um cachorro é diferente de uma pessoa.

Há quem se acostume a viver com seus inimigos. Se acomoda, aceita, assume e se deixa levar por medo da mudança, por temor do que possa acontecer. Nãoé necessário criticá-los, não imitar essa subserviência deve ser uma determinação.Lidere sua vida com a certeza de que o esforço vale a pena. Para isso, reconheça seus inimigos, os exteriores e também os interiores (É o medo? A indecisão? A insegurança?). Enfrente-os com destemor.É possível que você tema o resultado, mas a batalha sempre valerá a pena porque vai ajudar a se sentir vivo, capaz e valente. Seja você mesmo.No final, chegará um dia em que compreenderás que o pior inimigo pode ser você mesmo. Só então começarás a ganhar batalhas e liderar a própria vida.

“JOGUE-ME AOS LOBOS E LIDERAREI A ALCATEIA”. Esta é a atitude que você deve ter cada manhã para fazer frente às adversidades, às provocações, às dificuldades que a vida nos traz.

Jayme José de Oliveira

cdjaymejo@gmail.com

Cirurgião-dentista aposentado

Comentários

Comentários