Manifestações – Por Jayme José de Oliveira

Líderes carismáticos possuem um poder incomensurável de convencimento em relação às massas populares. Podem levar a transformações que redirecionam povos e mesmo a civilização. Podem alavancar ou conduzir ao abismo.

Cristo, Maomé, Lutero foram ícones e imprimiram suas marcas de maneira indelével, bilhões de pessoas os seguem. Religiões formam núcleos que ultrapassam fronteiras.

Martin Luther King, Nelson Mandela, Mahatma Ghandi lutaram pelo que consideravam justo, e o era. Jamais incitaram ódio, vingança, discriminação.

Hitler, Stalin, Mao-Tse-Tung se situam em situação antagônica. Um rasto de mortes, desespero, retrocesso foi o legado.

Atualmente as manifestações não são monocórdias, por vezes grupos heterogêneos se miscigenam e nesses casos, os procederes e os resultados, além de confusos e conflitantes, têm como resultado um final de destruição e vandalismo. Conduzem à discórdia, ao retrocesso em vez do pretensamente pretendido. Isso ocorre quando incitados por interesses espúrios, inconfessáveis, a pretexto de combaterem distorções, servem de biomboà manutenção de interesses de corporações, classes, conglomerados encastelados em privilégios indecentes.

As manifestações contra a PEC/55 reuniram estudantes, indígenas, sindicalistas, movimentos sociais e outros para protestar contra a aprovação de medidas que visam redirecionar a economia da rota que levará, se mantida, o país à insolvência. Quebra-quebras, vandalismos, foram o resultado. A leniência contumaz das autoridades, infensas a usar a legítima força do direito para contrapor o ilegítimo direito da força, permitiu a insanidade.

FORAM MANIFESTAÇÕES ESPÚRIAS.

A Câmara de Deputados, na fatídica madrugada de 30/11/2.016, gestou um monstruoso quid pro quo que o senador Renan Calheiros tentou votar na 4ª feira, 30/11/2.016 em regime de urgência. O painel eletrônico 44 senadores votaram contra a urgência e 14 a favor. Foi uma derrota acachapante. Com a rejeição o projeto foi encaminhado à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, onde deverá ser debatido antes de ser votado pelo plenário.

Domingo, 04/12/2.016, multidões, em todo o país, reagem contra a tentativa de desvirtuar o projeto de lei que trata das “10 medidas contra a corrupção”.

Desta vez, unidos por uma causa comum e justa, sem contaminação de grupos espúrios, inclusive de partidos que, em conluio, destroçaram o projeto original de combate à corrupção, relatado pelo deputado Onyx Lorenzoni.

AS MANIFESTAÇÕES FORAM PACÍFICAS, PROATIVAS E A VIOLÊNCIA NÃO TEVE GUARIDA.

m2

Jayme José de Oliveira cdjaymejo@gmail.com Cirurgião-dentista aposentado

Comentários

Comentários