Não ardia o nosso coração…

Nesse tempo pascal, a Palavra continua surpreendendo com manifestações particulares do Ressuscitado que convidam a deixar-nos envolver pela sua presença viva.

         Dois dos discípulos de Jesus que tinham deixado tudo para andar com ele, decepcionados com a sua morte, decidem voltar para casa, pois para eles tudo parecia terminado: “Esperávamos que ia restaurar Israel, mas já é o terceiro dia e nada aconteceu, só umas mulheres dizem ter tido uma visão de anjos...”.

         O papo continuava sereno entre eles e o forasteiro vai falando e mostrando como os fatos acontecidos tinham uma relação com o que estava anunciado nas Escrituras. Eles continuam caminhando e ouvindo com interesse e a esperança vai voltando aos seus corações.

         Chegando ao cair da tarde o convidam a ficar com eles e, no momento de partilhar o pão, eis que seus olhos se abriram e reconheceram que o caminhante era Jesus. Voltam correndo a Jerusalém para contar aos outros que Jesus lhes tinha aparecido e ajudado a entender os acontecimentos referentes a Ele.

Precisamos deixar que a Palavra de Deus e a Eucaristia façam conosco o que fez com os dois discípulos de Emaús: “Não estava ardendo o nosso coração, quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?”

É pelas Escrituras que sabemos com certeza que Jesus ressuscitou, conforme nos atesta Paulo: “Eu vos transmiti o que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e, ao terceiro dia, foi ressuscitado, segundo as Escrituras; e apareceu a Cefas e, depois aos Doze...” (1 Cor 15,3s).

Portanto, nossa fé na Ressurreição está profundamente ancorada nas Sagradas Escrituras, no testemunho dos apóstolos que viveram com Jesus e a eles apareceu após a morte de cruz.

 Reparemos que foi “no partir o pão que seus olhos se abriram e reconheceram Jesus”. O que nos ajuda a entender como o contexto litúrgico-celebrativo, assim como a disposição a partilhar, são determinantes para vivenciarmos a presença do Ressuscitado.

Lendo e meditando a Sagrada Escritura e celebrando a Sagrada Eucaristia – Corpo doado e Sangue derramado para nossa salvação – nosso coração vai sentido um novo ardor e gerando em nós a vontade de sair pelo mundo para contar aos outros a alegria de tê-lo encontrado, a iluminação que trouxe para a nossa vida e a esperança que nos impulsiona ao caminho do seguimento.

Dom Jaime Pedro Kohl - Bispo de Osório

Comentários

Comentários