O futuro da humanidade – Jayme José de Oliveira

O futuro da humanidade está ao alcance dos humanos, podemos e, com certeza o moldaremos.Em coluna anterior explanei as diversas tendências sobre como a tecnologia, os avanços científicos e a ética são encarados pelas múltiplas correntes de pensamento, hoje nos deteremos com maior profundidade na escola que preconiza o distributivismo e sua origem nas teorias sociais e econômicas articuladas em documentos de pontífices católicos, começando com o Papa Leão XIII na sua “RerumNovarum”.O distributivismo almeja estender os benefícios dos avanços tecnológicos para omaior número possível de pessoas, de talmaneira que possam dizer: A VIDA VALE A PENA SER VIVIDA! Ilustres personagens ilustrarão o tema com suas alegações.

Van Rensselaer Potter foi um bioquímico norte americano, pesquisador na área oncológica (câncer). Propôs o novo conceito interdisciplinar no qual correlaciona ética e ciência o qual denominou de bioética. É um campo do conhecimento voltado para o estudo da sobrevivência da civilização humana, buscando superar a dicotomia antropocentrismo-biocentrismo que dominava as ciências médicas e a ética ambiental, com a finalidade de construir uma ponte entre as ciências biológicas e as humanidades, correlacionando CIÊNCIA-HUMANIDADES-RELIGIÃO-FILOSOFIA sob uma visão holística, observar ou analisar algo ou alguma área da vida de forma global.

Pierre Teilhard de Chardin foi um padre jesuíta, teólogo, filósofo e paleontólogo francês que tentou construir uma visão integradora entre ciência e teologia. Legou para a posteridade uma filosofia que concilia a ciência do mundo material com as forças sagradas.

Para Teilhard de Chardin o progresso humano é o objetivo do universo. Todo o processo evolucionário opera com o propósito de trazer a humanidade, lenta e inexoravelmente até um ponto pouco abaixo do divino – lembremos que Deus, segundo o Gênesis, nos criou à Sua imagem e semelhança – e para tanto os humanos têm de optar por lutar e conseguir um futuro melhor.PARA TODOS.

Quem estuda a evolução tem de acreditar nela como um todo ou descrer na íntegra, não existe evolução por partes, assim como uma pessoa não pode ser meio honesta. Ou é, ou não é. A teoria evolucionista não coabita com a criacionista, são antípodas absolutos. O Papa Francisco admite a criação como o passo inicial, a evolução destina-se a aperfeiçoar e completar a obra. Não discuta com criacionistas absolutos, terraplanistas ou quetais. Mark Twain certa vez disse: “Nunca discuta com pessoas burras, elas vãote arrastar ao nível delas e ganhar por terem mais experiência em ser ignorante”.

Poucos esperavam que o Papa Francisco viesse a admitir publicamente a possibilidade de não crentes poderem ser classificados como pessoas de escol, contribuindo com a procura do BEM e da EVOLUÇÃO, tanto tecnológica como ética por humanos, independente de sua crença monoteísta, politeísta ou mesmo ausência dela.

Em 13/03/2017 o Papa Francisco fez um dos pronunciamentos que ficarão marcados na sua trajetória já tão impactante:

“Não é necessário crer em Deus para ser uma pessoa boa. De certa forma, a ideia tradicional de Deus não está atualizada.

Alguém pode ser espiritual, porém não necessariamente religioso.

Não é necessário ir à igreja e dar dinheiro. Para muitos, a natureza pode ser uma igreja. Algumas das melhores pessoas da história não criam em Deus, enquanto que muitos dos piores atos se praticaram em seu nome”.

Se admitirmos a humanidade trilhando um caminho ascendente que nos aproxima paulatinamente do objetivo final; se considerarmos, como creem as personalidades citadas – e muitas outras – que o progresso tem de ser direcionado para o benefício de TODOS; se estivermos dispostos a colaborar com a nossa parte, por mínima que seja para que se acelere esse processo, poderemos concordar com RudyardKipling no poema que dedicou a seu filho:
SE

Se és capaz de manter tua calma, quando,
todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa.
De crer em ti quando estão todos duvidando,
e para esses, no entanto, achar uma desculpa.

Se és capaz de esperar sem te desesperares,
ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
e não parecer bom demais, nem pretensioso.

Se és capaz de pensar – sem que a isso só te atires,
de sonhar – sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires,
tratar da mesma forma a esses dois impostores.

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas,
em armadilhas as verdades que disseste
e as coisas por que deste a vida estraçalhadas,
e refazê-las com o bem pouco que te reste.

Se és capaz de arriscar numa única parada,
tudo quanto ganhaste em toda a tua vida.
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
resignado, tornar ao ponto de partida.

De forçar coração, nervos, músculos, tudo,
a dar seja o que for que neles ainda existe.
E a persistir assim quando, exausto, contudo,
resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe não te corromperes,
e, entre Reis, não perder a naturalidade.
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
se a todos podes ser de alguma utilidade.

Se és capaz de dar, segundo por segundo,
ao minuto fatal todo valor e brilho.
Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo,
e – o que ainda é muito mais – és um Homem, meu filho!

Jayme José de Oliveira
cdjaymejo@gmail.com
Cirurgião-dentista aposentado

Comentários

Comentários