Projeto do campus Osório é vencedor nacional do Prêmio Respostas para o Amanhã

É do Rio Grande do Sul, mais especificamente da cidade de Osório, um dos três projetos vencedores na categoria Nacional da 5ª edição do Prêmio Respostas para o Amanhã – iniciativa da SamSung, com coordenação geral do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cempec). O projeto BCA: biossorvente da casca de arroz para remoção de metais da água de poço do litoral norte gaúcho, dos estudantes do 3º ano do curso Técnico em Administração Integrado ao Ensino Médio do Campus Osório, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), estava entre 1128 inscritos, somando cerca de 47 mil estudantes.

A iniciativa dos alunos, única finalista da região Sul entre 25 projetos da etapa Regional, é coordenada pela professora Flávia Twardowski com apoio dos professores Cláudius Soares e Saulo Gomes Filho. O grupo receberá como prêmio o Selo digital de Vencedor Nacional e um Intercâmbio científico-cultural na cidade de São Paulo, previsto para ocorrer entre os dias 23 e 26 outubro. Serão três dias de experiências junto aos estudantes dos outros dois projetos vencedores nacionais, das cidades de Cascavel (CE) e Salgueiro (PE).

Para a professora Flávia Twardowski, a conquista é resultado do esforço e dedicação de todos os envolvidos: “A turma surpreendeu nos quesitos organização e comprometimento, fazendo uso das potencialidades de cada um e superando as dificuldades que surgiam. E isso somado ao apoio dos colegas Cláudius e Saulo, que conseguiram associar conhecimentos desenvolvidos em sala de aula, colocando em prática conceitos que ficam, muitas vezes, apenas na teoria, é o que tornou possível obter esse resultado tão significativo”.

Sobre o projeto

O BCA: biossorvente da casca de arroz para remoção de metais da água de poço do litoral norte gaúcho é um projeto de pesquisa que visa a criação de um método alternativo para a filtragem da água de poço, utilizando a casca do arroz produzido no Litoral Norte do Rio Grande do Sul. A preocupação com a qualidade da água de poço do município de Osório e com o descarte dos resíduos agroindustriais pela indústria local foram o estímulo para o desenvolvimento do trabalho.

De acordo com a docente, a pesquisa já conseguiu comprovar a redução de 80% de ferro e 50% de manganês da água testada: “o resultado foi surpreendente, mas precisamos continuar trabalhando para reduzir o manganês que ainda está alto. Vamos testar também outros resíduos agroindustriais, como cascas de frutas”.

Sobre o Prêmio

De abrangência nacional, o Prêmio Respostas para o Amanhã, tem por objetivo estimular e difundir projetos desenvolvidos por alunos do Ensino Médio que estudam em escolas públicas. A proposta do prêmio é valorizar projetos desenvolvidos na instituição que mobilizem os conhecimentos curriculares nas áreas de ciências da natureza e/ou matemática e suas tecnologias para solucionar problemas das comunidades onde vivem.

Diversas atividades e desafios eram propostos aos estudantes ao longo do concurso. Na primeira etapa (fase Regional) cinco escolas de cada região do Brasil foram selecionadas, entre as quais dois Institutos federais: IFRS e IFPA. Na etapa seguinte, os finalistas produziram vídeos de até três minutos que serviram de subsídio para concorrer ao Júri Popular, que através de votação destacou cinco projetos, e para a avaliação nacional, que além dos três prêmios concedeu uma Menção Honrosa.

Gabriela Morél

Comentários

Comentários