Psicopatas – Jayme José de Oliveira

Psicopatas são incapazes de sentir emoções, podem até matar sem sentir culpa e vivem incógnitos ao seu lado. Personalidades por demais complexas, conseguem iludir os que os rodeiam, psiquiatras admitem que não há tratamento nem remédios eficazes para combater ou mesmo controlar esses personagens.

Pergunta-se: como podem conviver numa sociedade que não admite seus atos? Possuem charme e têm facilidade em lidar com as palavras e convencer pessoas vulneráveis. Tornam-se líderes com frequência, tanto em presídios como em multinacionais.

Inteligentes,seu QI costuma ser acima da média e sua habilidade para mentir é um fato que utilizam em proveito próprio. Não veem diferença entre sinceridade e falsidade.

A falta de escrúpulos acrescida a essas características os induzem a sugarem até à medula os que conseguem incutir confiança. São o tipo que “chupa a laranja e joga fora o bagaço”.

Psicopatas se dão bem em entrevistas de emprego, manipulam o ambiente de trabalho e conquistam a confiança dos chefes.  Muitos são homens de negócio bem-sucedidos, políticos adorados e líderes religiosos.

Os psicopatas não se reconhecem como tal e dificilmente vão mudar de comportamento, diz o psiquiatra Augusto Feijó, de São Paulo. Também não existem tratamentos comprovados ou remédios que façam efeito.  Outro problema: quando levados a consultórios, os psicopatas acabam ficando piores. Diante da falta de perspectiva de cura, quem convive com psicopatas no dia a dia precisa vigiá-los constantemente. A dona de casa N. do Guarujá age assim com seu filho G. “Enquanto eu e o pai dele estivermos vivos, podemos tomar conta” diz... “Mas, e depois?”

Exemplos não faltam. Um é o político corrupto que é adorado por eleitores. Cativa jornalistas durante as entrevistas e não sente culpa por rechear suas contas com dinheiro público. Quando confrontado com fatos insofismáveis, “a culpa sempre é dos outros”, inclusive se diz indignado pela traição. Para facilitar sua atuação distribui generosamente parte do dinheiro desviado e sua parte é oculta de diversas maneiras, inclusive com o uso de laranjas.

O líder religioso que enriquece à custa de doações dos fiéis é outro. “Eles se costumam dar bem em ambientes pouco estruturados e com pessoas vulneráveis”, afirma o psiquiatra Oliveira Souza.

Psicopatas não tão extremos, mas com a mesma falta de escrúpulos, estão em grandes empresas onde não raro costumam ocupar os postos mais altos. “Certamente há mais psicopatas no mundo dos negócios que na população em geral, diz o psiquiatra Hare que com Babiak escreveu a obra “Cobras de Terno, Quando Psicopatas vão Trabalhar”.

CARACTERÍSTICAS DE UM PSICOPATA – AUSÊNCIA DE CULPA.

Nunca sentem arrependimento, nem remorsos. Os outros é que são os culpados de tudo o que acontece de mal e vivem com a certeza absoluta que nunca erram nem erraram. Não temem a punição por terem a certeza que tudo o que fazem tem um propósito benéfico (para eles, claro!).

Quando denunciados, recusam a reabilitação ou qualquer tratamento e na impossibilidade de fugir, simulam uma mudança de caráter, para mais tarde voltarem aospadrões comportamentais que lhes são característicos e até, vingarem-se de quem tentou ajudar.

MESTRES DA MENTIRA

Para eles a realidade e a ilusão fundem-se num só conceito pelo qual regem seu mundo. São capazes de contar uma mentira como se estivessem a descrever uma situação real. Não mentem para fugirem de uma situação constrangedora, mas pura e simplesmente porque não sabem viver sem mentir.

“Embora qualquer pessoa possa mentir, temos de distinguir a mentira banal da mentira psicopática. O psicopata utiliza a mentira como uma ferramenta de trabalho. Normalmente está tão treinado e habilitado a mentir, que é difícil captar quando mente. Ele mente olhando nos olhos e com atitude completamente neutra e relaxada”. (Carla Rojas Braga, psicóloga – Zero Hora, 16/05/2.015)

Jayme José de Oliveira

cdjaymejo@gmail.com

Cirurgião-dentista aposentado

Comentários

Comentários