Reparação – Nilton Moreira

Céu e inferno hoje não é mais admitido como antigamente. Evoluímos no entendimento e a figura de um fogo eterno não convence nem mesmo as criancinhas, até porque nossas crianças estão aportando na Terra com maior discernimento e propensas ao bem. “Inferno se pode traduzir por uma vida de provações extremamente dolorosa, com a incerteza de haver outra melhor.”

Portanto a infelicidade ou felicidade depois da desencarnação é inerente ao grau de aperfeiçoamento moral de cada Espírito e, também, a categoria de mundo a que habita. A alma sofre na via espiritual as consequências de todas as imperfeições que não conseguiu corrigir na corporal. O seu estado feliz ou desgraçado, é inerente ao seu grau de pureza ou impureza. Não há uma única imperfeição da alma que não importe funestas consequências, como não há uma só qualidade boa que não seja fonte de um gozo.

Em virtude da lei do progresso que dá a toda alma a possibilidade de adquirir o bem que lhe falta, como de despojar-se do que tem de mau, conforme o esforço e vontade próprias temos que o futuro é aberto a todas as criaturas. Deus não repudia nenhum de seus filhos, antes recebe em seu seio à medida que atingem a perfeição, deixando a cada qual o mérito das suas obras.

O inferno está por toda a parte onde haja almas sofredoras, e o céu igualmente onde houver almas felizes. A expiação varia segundo a natureza e gravidade da falta, podendo portando, a mesma falta determinar expiações diversas, conforme as circunstâncias, atenuantes ou agravantes, em que for cometida.

O arrependimento, expiação e reparação constituem, portanto, as três condições necessárias para apagar os traços de uma falta e suas consequências. O arrependimento suaviza os travos da expiação, abrindo pela esperança o caminho da reconciliação; só a reparação, contudo, pode anular o efeito destruindo-lhe a causa, do contrário, o perdão seria uma graça, não uma anulação.

O arrependimento pode dar-se por toda parte e em qualquer tempo; se for tarde, porém, o culpado sofre mais tempo. A reparação consiste em fazer o bem aqueles a quem se havia feito o mal. Quem não repara seus erros numa existência, por fraqueza ou má vontade, achar-se-á numa existência ulterior em contato com as mesmas pessoas que de si tiveram queixas, e em condições voluntariamente escolhidas, de modo a demonstrar-lhes reconhecimento e fazer-lhes tanto bem quanto mal lhes tenha feito. Que possamos ser cada dia melhores.

cristaldafonte@gmail.com

Comentários

Comentários