Santíssima Trindade – Dom Jaime Pedro Kohl

Concluído o tempo pascal, a liturgia nos brinda com a Solenidade da Santíssima Trindade.  Contemplemos o nosso Deus, que se manifestou como Pai, Filho e Espírito Santo. Assim é o Deus dos cristãos: um só Deus em três Pessoas. E a comunhão de vida entre essas três pessoas é tal que formam uma unidade. O legítimo três em um. Uma comunidade perfeita. Modelo para toda convivência.

Como isso possa acontecer é um tanto misterioso, mas não impossível de entender. Se nos deixamos iluminar pela Sagrada Escritura, descobrimos que Deus age como Pai criador; envia seu Filho Unigênito como Salvador da humanidade; que voltando para o Pai, com Ele enviaram o Espírito Santo para iluminar e santificar a todos os que acolhem a Boa Nova.

Para nós cristãos acostumados a invocá-lo como Pai, Filho e do Espírito Santo, o mistério trinitário, torna-se tão familiar que corremos o risco de cair na formalidade e na indiferença.

Como herdamos de nossos pais traços físico-espirituais e reproduzimos atitudes e valores absorvidos na convivência familiar, algo parecido acontece na linha da fé. Trazemos no nosso bojo espiritual de nossas comunidades os traços da Trindade: a unidade na diversidade, a individualidade e comunhão.

Levando em conta a definição que São João nos dá de Deus: “Deus é amor”, fica claro que o Deus dos cristãos não é solitário, mas comunhão de pessoas: é família. Aprendemos e cremos que o batismo nos introduz neste mistério da Trindade, nos faz participantes da vida divina, torna-nos depositários da vida nova da graça: o amor de Deus derramado em nossos corações.

Se Deus é unidade na diversidade, nós criados a sua imagem e semelhança somos chamados por vocação a vivermos essa realidade: muitos membros, mas um único corpo em Cristo.

A comunidade humana encontrará sua verdadeira realização à medida que buscar viver essa relação de igualdade e respeito pelo diferente, como acontece na comunidade trinitária.

Nada mais contraditório: uma comunidade cristã dividida. Há pouco celebramos a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Infelizmente a realidade é essa: irmãos separados. Não é essa a vontade de Deus. Jesus rezou ao Pai antes de sua partida: “Que eles sejam um, ó Pai, como nós somos um. Conserva-os na unidade”.

Que a contemplação deste amável Mistério nos abra sempre mais ao transcendente, nos mantenha sempre abertos à acolhida reciproca, construindo a unidade.

Ó Santa Trindade, inspira nosso ser e o nosso fazer

Dom Jaime Pedro Kohl - Bispo de Osório

Comentários

Comentários