SIMERS alerta para risco de caos na saúde de Torres

O SIMERS alerta para o risco de falta de médicos em Torres. Os médicos que atuam no Pronto Atendimento (PA) e no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) ameaçam romper seus contratos em função da falta de condições dignas de trabalho e de uma política de remuneração mais justa.

O SIMERS marcou uma reunião com o prefeito Carlos Souza nesta quarta-feira (01/11) para negociar uma saída. Mas o chefe do Executivo municipal cancelou o encontro de forma unilateral, devido a uma agenda fora da cidade, segundo o próprio SIMERS. Na pauta, estava o projeto de lei que o prefeito se comprometeu a enviar à Câmara de Vereadores, em abril, prevendo um incentivo remuneratório aos médicos.

“Na época, o prefeito assumiu o compromisso, juntamente com a Procuradoria Geral do Município e a secretária municipal de Saúde, de encaminhar a proposta, pois os vereadores certamente votariam a favor da medida, que resultaria em mais saúde para a população”, destaca o diretor do SIMERS, André Gonzales.

Para o representante da entidade médica, os avanços são essenciais para garantir a manutenção dos serviços de Saúde na iminência da temporada de verão, quando a população da cidade aumenta consideravelmente. “Há o risco de desassistência da população que vêm para Torres em massa para o réveillon, carnaval, festa de Navegantes e até mesmo para veranear”, alerta Gonzales. “Esperamos, agora, que o prefeito mantenha o compromisso já firmado e que o incentivo se torne realidade o mais breve possível”, enfatiza o diretor do SIMERS.

Comentários

Comentários