Um desejo de vida – Marília Gerhardt de Oliveira

10 – CIÊNCIA E CULTURA

Marília Gerhardt de Oliveira

UM DESEJO DE VIDA

Quando uma minoria inconsequente e irresponsável faz passeatas dentro de carros de luxo com suas famílias pelas ruas de algumas cidades, iludida por uma falsa premissa de derrocada econômica face ao isolamento social, meu sentimento é de pena. E convicção de que muito ainda precisa feito pela Educação, Ciência e Cultura no nosso amado Brasil.

Exemplos mundo afora já demonstram claramente que a crise econômica será ainda mais grave se a crise sanitária assumir maiores proporções.

Quando um Ministro da Saúde e sua Equipe agem com tecnicismo e qualidade, objetivando preservar VIDAS, atônitos, certamente, face à ignorância de um grupo ideológico no Poder, meu sentimento é de júbilo. E a convicção de que, nas graves crises,pode-se diferenciar claramente as mulheres e os homens com estatura patriótica de “meninas que vestem rosa e meninos que vestem azul”.

A OMS reúne Especialistas em Saúde Pública, Cientistas e, certamente, divulga orientações pertinentes. Há que escutar a voz da razão!

A COVID-19 não escolhe ideologia, religião, classe social, gênero e sequer idade (já há crianças mortas), embora acometa de forma mais letal os idosos.

Quando se propõe isolamento social, mantendo serviços de Saúde, Segurança e Transporte (de pessoas, medicamentos, vacinas, alimentos, combustíveis, gêneros de higiene e limpeza…), produção de alimentos no campo e nas empresas deste ramo de atividade, cabe ao Estado dar condições de Biossegurança aos que precisam seguir trabalhando (educação para higiene e desinfecção, acesso a máscaras e luvas, água e sabão…), reduzindo riscos e valorizando suas VIDAS; assim como provendo aos afastados das suas atividades laborais, condições mínimas de acesso aos bens indispensáveis a sua sobrevivência neste período (mantendo Aposentadorias, Pensões e Bolsa Família, investindo percentual do PIB em renda mínima aos demais, principalmente aos informais, autônomos e microempreendedores); e indispensável apoio a Empresas (empréstimos com prazos de início de retorno a partir de 6 meses e sem juros, mas com a exigência de garantia dos empregos pelo dobro do tempo do investimento público).

É tempo de refletir e não agir por impulso, mas sim com base na realidade. Haverá um período de dor (ainda não chegamos ao pico no Brasil), seguido (em 4 a 6 meses) de um período de reconstrução.

Não há como nem por quê nos dividirmos enquanto Nação devido a ambições politiqueiras de quem quer que seja.

Façamos POLÍTICA! Na acepção grandiosa do termo! Sejamos Patriotas! Aprendamos com a crise! Cresçamos! Honremos as Vidas dos Brasileiros (pacientes e profissionais da Saúde) que ficarão pelo caminho, infelizmente.

Tenhamos GRANDEZA, CORAGEM e FÉ!

Tenhamos AMOR pelo NOSSO BRASIL!

Marília Gerhardt de Oliveira

gerhardtoliveira@gmail.com

Comentários

Comentários