Vice-presidente do Grêmio morre vítima de complicações decorrentes da Covid-19

Marco Bobsin, de 68 anos, recebeu alta após mais de 100 dias internado, mas não resistiu a uma infecção generalizada

Um dos vice-presidentes do Grêmio, Marco Bobsin faleceu no final da tarde desta quinta-feira no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre.

O dirigente havia se recuperado da Covid-19 após mais de 100 dias internado, mas voltou ao hospital recentemente por conta de complicações da doença.

O dirigente passou quase dois meses internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) para superar a Covid-19. Há cerca de um mês, ele deixou o hospital na companhia do presidente Romildo Bolzan Júnior e do vice de futebol Paulo Luz.

Mas voltou ser internado por conta de uma infecção urinária. O problema se espalhou e chegou ao intestino. Terminou por atingir outros órgãos do dirigente de 68 anos, eleito em dezembro como vice-presidente do Grêmio por três anos. O Grêmio manifestou pesar pela morte do dirigente.

Bobsin foi contaminado logo no início da pandemia no país, em março, e ficou no hospital já a partir dos primeiros exames.

Recebeu alta, mas precisou voltar a ser internado no meio de julho e desde então lutava pela recuperação. O dirigente era casado com Graça Bobsin e tinha dois filhos, Mariane e Diego.

Confira a nota do Grêmio

“É com profundo pesar que o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense comunica o falecimento do seu vice-presidente Marco José Bobsin, aos 68 anos. Eleito para o Conselho de Administração em 2019, Marcão, como era chamado pelos amigos, foi vitimado por complicações decorrentes da COVID-19.

Nascido em Santo Antônio da Patrulha no dia 28 de novembro de 1951, Marco Bobsin era um apaixonado pelo esporte. Durante a carreira profissional no Banco do Brasil, foi dirigente da AABB. Gremista dedicado, sócio do Clube por cinco décadas, saiu da arquibancada para a política do Clube em 1982, pelas mãos do patrono Hélio Dourado.

Ao lado de figuras que viriam a se tornar seus amigos, como Taddeu Vargas, Rafael Bandeira dos Santos, Cacalo, César Pacheco, Paulo Pelaipe, Walter Polli e Décio Medaglia, Marco Bobsin fez parte do movimento Reforma, primeiro grupo e origem dos atuais movimentos políticos do Grêmio. O nome “Reforma” nasceu da defesa de uma reforma proporcional na ocupação de cargos do Conselho a partir da proporção de votos de cada chapa.

A primeira das quatro eleições para o Conselho Deliberativo aconteceu em 1989.

Suas duas passagens pelo colegiado foram daquele ano até 1995 e de 2007 até hoje.

Chefe de Gabinete da Presidência até 2019, Marcão foi reconhecido, no exercício do cargo, como peça-chave no processo de pacificação política e ampliação do diálogo entre os movimentos do Clube.

Defendendo sempre a oxigenação política, foi um dos responsáveis pela abertura da estrutura de debate aos diferentes grupos.

Essa facilidade com que se relacionava com conselheiros e torcedores, sempre servindo aos interesses do Tricolor, lhe rendeu o merecido lugar na nominata do Conselho de Administração aclamada em 29 de outubro para o mandato 2020-2022.

Aclamação que teve sua assinatura, como um dos arquitetos dessa unidade. No dia 16 de dezembro de 2019, tomou posse como vice-presidente do CA.

Marcão foi internado no dia 15 de março no hospital Moinhos de Vento, depois do diagnóstico positivo para a COVID-19.

Ele recebeu alta em 26 de junho, após um período que demandou 53 dias de cuidados na Unidade de Terapia Intensiva e foi saudado pelos amigos de Grêmio na porta do hospital.

Porém, complicações decorrentes da doença levaram o vice-presidente gremista novamente para o hospital.

Marco Bobsin era casado com Graça Bobsin e tinha dois filhos, Mariane e Diego.

O Grêmio oferece sua solidariedade à família e aos amigos desse grande gremista que hoje nos deixa.”

Comentários

Comentários